Indústria do Pará se destaca no crescimento do Produto Interno Bruto da região Norte

Os resultados alcançados pela indústria do Pará em 2017 estão entre os fatores que contribuíram para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Norte, a região que mais cresceu no ano passado, segundo levantamento feito pelo portal Governo do Brasil. A produção industrial paraense teve incremento de 10,1%, com destaque para a indústria extrativa mineral (13,2%) e a produção de produtos de madeira (3,2%). O levantamento se baseou no Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), que tenta prever o comportamento do PIB nacional antes do resultado oficial ser divulgado.

Com mais produção industrial, também cresceu a movimentação de cargas com exportações e exportações, sobretudo no Aeroporto Internacional de Belém. Somente no primeiro trimestre deste ano, o transporte aéreo desses materiais quase dobrou no Estado. Além disso, o aeroporto se prepara para receber mais empresas aéreas – com a abertura de novos voos internacionais – e aumentar o número de passageiros e de cargas este ano.

“Os resultados obtidos no primeiro trimestre superaram todas as expectativas previstas para o período, indicando a continuidade da tendência de crescimento na movimentação de cargas iniciada ao longo de 2017, principalmente com a conquista de novos clientes nos seguimentos de informática, tecnologia e construção naval”, diz o coordenador de Negócios em Logística de Carga do aeroporto, Emanoel Leite Junior, em entrevista ao portal Governo do Brasil.

O emprego na indústria paraense também deu um salto em 2017. Pesquisa do Departamento Interestadual de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), com base nos números oficiais do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, apontam geração de 1.276 vagas em onze meses de 2017, resultado das 27.745 contratações e 26.469 demissões registradas no período. Entre os Estados da região Norte, o Pará foi o segundo que mais gerou empregos na indústria, à frente de Amazonas, Amapá, Roraima, Tocantins e Acre.

Salto – Enquanto o Brasil cresceu 1% no ano passado, a região Norte avançou 8,23% – um crescimento a ritmo chinês, oito vezes maior que o PIB nacional, segundo o levantamento. Todos os principais ramos e segmentos da economia nortista geraram riqueza para o País, da fabricação de televisores e eletrônicos na Zona Franca de Manaus à extração mineral e vendas no comércio e no setor de serviços.

Respondendo por 3% da indústria do País, o Amazonas apresentou números expressivos. A fabricação de máquinas e equipamentos, por exemplo, cresceu 31,6% no ano passado, enquanto a produção de produtos eletrônicos e materiais de informática, 23,9%. Esse desempenho, entre outros fatores, pode ter sido influenciado pela proximidade da Copa do Mundo e pelo aumento da demanda por televisores e outras telas.

Segundo o portal Governo do Brasil, apenas o Polo Industrial de Manaus registrou faturamento de R$ 81 bilhões no ano passado, valor 9,41% maior que o registrado em 2016. A Superintendência da Zona Franca de Manaus aponta que a melhora observada significa uma recuperação das empresas da área, que desde 2014 vinham registrando redução no faturamento. As exportações do polo também cresceram em 2017, alta de 6,54%. (Com informações do portal Governo do Brasil)

Por Luiz Carlos Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *